Notícias

Avisos de Licitações - Cohab 2016

Com queda do preço, mercado de locações continua em alta em Curitiba

Restrição de crédito e instabilidade econômica seguem convencendo clientes que aluguel é mais viável que a compra

Reflexo da instabilidade econômica do país e da redução de crédito ofertada pelos bancos, o número de imóveis residenciais alugados, em Curitiba, continua crescendo – uma amostra de que locar ainda é opção mais viável que a compra. No mês de julho, 1.286 unidades foram locadas – 25,6% a mais que as 1.024 locações registradas um mês antes, e que as 1.020 contabilizadas em julho de 2015.

No acumulado de janeiro a julho de 2016, 8.361 imóveis ganharam novos inquilinos, frente aos 7.171 alugados no mesmo período de 2015 – representando um aumento de 16,6% no volume de locações. Isso fez com o volume de imóveis em estoque sofresse uma pequena queda de 2%, indo de 11.634 imóveis em junho de 2016 para 11.375 no mês seguinte. Os dados são do Sindicato de Habitações e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

"O mercado de locação residencial está mais ativo, pois muitos clientes estão optando pelo aluguel e não pela compra. Também existe uma grande variedade de produtos para a escolha do inquilino, o que é uma vantagem. Nossa perspectiva é de que esse movimento de recuperação se intensifique a partir do ano que vem." Edson Luis Esquinazi, presidente da Bee Rede Imóveis.

Um fator que ajuda no aumento do número de locações é queda do preço médio do metro quadrado. No acumulado de agosto de 2015 a julho de 2016, houve uma queda de 3,76% na variação dos 12 meses – baixando de R$ 13,72, em julho de 2015, para R$ 13,21 no mesmo mês de 2016.

Essa redução do preço se dá pela necessidade de os proprietários estarem mais flexíveis para negociações, pois o alto volume de imóveis em estoque alcançado nos últimos meses ainda mantém a oferta mais elevada do que a procura – mesmo com a diminuição no estoque de 2%, de junho para julho.

“É mais vantajoso para o proprietário negociar um valor de aluguel mais barato e conseguir fechar o negócio, do que continuar com o imóvel vazio, cujo custo é muito alto. No longo prazo, mesmo com aluguel mais baixo, ele acaba lucrando”, comenta Fátima Galvão.

Para ela, a expectativa para o segundo semestre é de que o estoque de imóveis continue diminuindo e que o número de locações aumente mais – inclusive por ser um período de maior procura por locações.

"Nós estamos sentindo que o mercado está estável nos valores e as buscas por locação estão mais aquecidas agora, do que no primeiro semestre. É grande, também, a busca de imóveis para locação por pessoas que chegam a Curitiba para trabalho ou estudo." Daniel Delgado Gracia, diretor da Burgman Imóveis.

Reformas

Outra estratégia usada pelos proprietários para aumentar o número de negócios fechados é realização de reformas e modernizações nas habitações. Luiz Cavalcanti Neto, investidor imobiliário há 40 anos, decidiu reformar seus imóveis, depois que a procura para alugá-los diminuiu. “Eu estava precisando trocar o piso de uma das unidades e mexer na parte elétrica em outra. Então, fui buscar um especialista e vi que o melhor era dar uma geral em todas as unidades”, explica.

Para a vice-presidente de locação do Secovi-PR, Fátima Galvão, é preciso que os proprietários tornem os imóveis mais atrativos. “Os imóveis mais antigos estão concorrendo com aqueles recém-entregues, então os proprietários têm que criar condições diferenciadas”, diz.

Em alta

Locação residencial cresceu 19,3% nos primeiros sete meses de 2016, em comparação com os iguais períodos dos dois anos anteriores. Restrição de crédito e cenário econômico instável continuam como fatores que estimulam o setor.

Fonte: Gazeta do Povo

Feira de Imóveis completa 25 anos

Fonte: Gazeta do Povo

CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

O presidente do Creci/PR, Admar Pucci Junior, e o Procurador Geral de Justiça, Gilberto Giacoia, assinaram um convênio de cooperação técnica entre o Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Paraná (Creci/PR) e o Ministério Público Estadual (MPE/PR). O acordo permite que os corretores de imóveis paranaenses prestem serviços técnicos de avaliação mercadológica para instruir processos judiciais ou procedimentos extrajudiciais.

Clique aqui e confira o extrato do Edital de Reabertura das Inscrições

Clique aqui e confira o Edital de Reabertura das Inscrições

Clique aqui e confira a Portaria nº108/2016

Clique aqui e confira o Termo de Cooperação Técnica entre o Creci-PR e o Ministério Publico do Paraná

 

 

Frente Parlamentar do Mercado Imobiliário


O vice-presidente, Luiz Celso Castegnaro, representa o Creci-PR junto Frente Parlamentar do Mercado Imobiliário, no Congresso Nacional, em Brasília. O Sistema Cofeci- Creci segue realizando as ações junto aos poderes constituídos para valorizar nossa categoria, incentivar nosso setor e contribuir para a aceleração da economia.

 

Quarta - Especial de Agosto

Amanhã, dia 10 de agosto, teremos palestras nas Delegacias de Maringá, Londrina e Cascavel. Participe!!

 

Setor imobiliário espera recuperar vendas com mudanças no financiamento da Caixa

Banco passará a financiar imóveis com valor de até R$ 3 milhões. Limite anterior era de R$ 1 milhão

A mudança nas regras de financiamento habitacional pela Caixa Econômica Federal, que vai permitir a compra de imóveis mais caros, poderá reaquecer o setor imobiliário, que vem sentindo fortemente os impactos da crise financeira nos últimos anos.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, apesar de ser voltada para um mercado mais restrito, a medida é muito bem-vinda para o setor. “Quando se trabalha com financiamento, acaba-se tendo dinheiro mais barato e facilitando-se os negócios. E tem-se um conforto maior”, disse Martins.

A partir desta segunda-feira (25), o valor máximo de financiamento da Caixa pelo SFI (Sistema Financeiro Imobiliário) passa de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões. O SFI é uma modalidade de crédito que financia imóveis mais caros, sem emprestar dinheiro do FGTS.

De acordo com Martins, o mercado de imóveis com preço mais alto também foi afetado pela crise econômica e política do país. Ele explicou que isso acontece porque a decisão de comprar um imóvel, independentemente do valor, é muito influenciada pela confiança no futuro. “Então, se não tiver o horizonte político e econômico razoável, as pessoas ficam com o pé atrás. Todos os mercados estão passando por dificuldades. Se alguns têm medo de perder o emprego, quem é dono de empresa também pode ter medo de como ela se comportará no futuro.”

As mudanças nas regras de financiamento chegam em “excelente hora”, na avaliação do vice-presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), Eduardo Aroeira. Isso porque, segundo ele, as expectativas e o otimismo das pessoas têm melhorado. “Vai auxiliar bastante na compra de imóveis para classes mais elevadas, que vinham sofrendo bastante com a maior dificuldade de financiamento”, observou.

Outra mudança no financiamento anunciado pela Caixa é o aumento da parcela de financiamento dos imóveis por meio do SFI. Para imóveis usados, a cota de financiamento subiu de 60% para 70% do valor total. Para a compra de imóvel novo, construção em terreno próprio, aquisição de terrenos e reforma ou ampliação, a cota passou de 70% para 80%. A medida também foi comemorada pelo presidente da Cbic. “Antes, a pessoa tinha que dar 30% de entrada, agora tem que dar 20%. Isso ajuda bastante”, destacou Martins.

Retomada do setor

Sobre a expectativa de retomada da indústria da construção civil no país, José Carlos Martins, observou que o humor está começando a mudar. “Já começa a ter mais visitas em plantões e, quando se fazem sondagens com empresários, vemos que eles estão menos pessimistas. Não é nenhum oba-oba, mas há uma reversão de expectativas.”

De acordo com o presidente da Cbic, os lançamentos imobiliários tiveram retração de 54% nos últimos 12 meses, enquanto as vendas caíram 18%. “Caiu muito mais o número de lançamentos do que o de vendas. Mesmo que as vendas estejam fracas, elas continuam existindo. Isso quer dizer que, daqui a pouco, o mercado vai começar a reverter. Muitos prédios que estão parados vão começar a andar de novo”, previu Martins.

Eduardo Aroeira disse que também espera melhora gradual no setor nos próximos meses. “A partir do momento em que a Caixa reabre essa possibilidade, faz com que haja um novo ânimo do mercado, e a tendência é de melhora, embora gradual, mas constante”, afirmou Aroeira.

Fonte: Gazeta do Povo 

Oferta em alta reduz preço da locação de imóveis comerciais em Curitiba

Número de imóveis locados ficou estável em junho, mas isso não foi suficiente para impedir o crescimento da oferta

Ao contrário do que o momento ruim da economia poderia sugerir, a locação de imóveis comerciais segue estável em Curitiba. No último mês de junho, 259 unidades tiveram seus contratos assinados na cidade, número 1,2% acima do registrado no mesmo mês de 2015. Mesmo assim, a oferta de pontos comerciais está crescendo e, com isso, o preço do metro quadrado está em queda.

Segundo a pesquisa mensal realizada pelo Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), ligado ao Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), o número de imóveis comerciais vazios na cidade em junho era 26% maior do que no mesmo mês de 2015. Essa elevação teve reflexos sobre o valor pedido pelos aluguéis comerciais na cidade, que apresentou queda de 3,7% no último ano e chegou aos R$ 19,34 por m² total, em junho.

“O excesso de mercadoria acaba regulando o preço do mercado. Para não ficar com o custo do imóvel parado, os proprietários estão mais propensos às negociações [o que acaba interferindo no preço da oferta]”, pontua Fátima Galvão, vice-presidente de locação do Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

Este movimento é percebido com mais intensidade entre os conjuntos comerciais, que apresentaram retração de 9% no valor pedido pelo m² total, passando de R$ 22,31 em junho de 2015 para R$ 20,30 no igual mês de 2016.

Além da oferta elevada, João Françolin Tomazini, diretor-geral da Imobiliária Cilar, lembra que a “concorrência” entre os conjuntos comerciais novos e antigos é outro fator que interfere na queda do preço médio do m² destes imóveis. Isso porque, para fazer frente às unidades recém-entregues pelas construtoras – que, em geral, apresentam melhor infraestrutura –, os proprietários dos imóveis localizados em prédios mais antigos têm baixado os valores pedidos pelos aluguéis, puxando a média para baixo.

Equilíbrio

O fato de o número de negócios fechados não estar em queda é visto como um efeito do maior número de pessoas procurando um ponto para abrir um negócio após a perda do emprego. “Com o desemprego em alta, muitas pessoas estão optando por começar uma nova atividade, locando lojas ou salas comerciais pequenas, principalmente nos bairros, para abrir seu próprio negócio”, explica Tomazini.

Outro ponto que contribui para a manutenção dos negócios é a migração de algumas empresas para imóveis com áreas menores, com o objetivo de reduzir seus custos operacionais. “Temos empresas na nossa carteira que locavam imóveis de cerca de 150 m² e foram para unidades de 50 m²”, ilustra Fátima Galvão. Entre os tipos de imóveis mais locados no mês de junho destacam-se os barracões e os conjuntos comerciais, que apresentaram alta de 58% e 21%, respectivamente, em relação ao igual mês de 2015.

Em alta

A estabilidade das locações, no entanto, não foi suficiente para frear a alta da oferta de unidades comerciais disponíveis para locação , que chegou aos 26% no último ano.

Parte deste crescimento, como aponta Fátima, foi estimulado pela entrega de novos empreendimentos comerciais no período. Fato que se reflete, por exemplo, na alta de 33,5% na oferta de conjuntos comerciais na capital, que somava 2,8 mil unidades naquele mês.

O segmento com o maior incremento na oferta (46,7%) foi o de barracões, estimulado pelo encerramento das atividades de algumas empresas. “Alguns proprietários também estão investindo na construção de barracões porque acreditam na retomada do crescimento industrial”, acrescenta Tomazini.

Bairros

O Centro lidera a oferta de imóveis disponíveis para locação em Curitiba, com 1,4 mil unidades, seguido pelo Água Verde (299), Batel (293) e Bigorrilho (257).

A oferta também é alta em bairros mais afastados da região central, como o Portão, que tinha 143 unidades disponíveis para locação em junho. Segundo Fátima, isso decorre do fato de estas localidades serem mais “autônomas” em relação ao Centro, o que atrai os inquilinos que buscam facilidade de estacionamento e de acesso a diversas regiões da cidade.

Comercial

Locação segue estável em Curitiba, mas não impede o crescimento da oferta, que registrou alta de 26% no último ano.

Fonte: Gazeta do Povo 

Quarta Especial - julho de 2016

As Regionais de Maringá e Matinhos realizarão, no dia 13 de julho, mais uma edição do projeto Quarta-Especial. As palestras são gratuitas. Participe !!!

Relatório anual - 2015

Prezados Corretores,

A expansão da tecnologia tem transformado o hábito de todos. A internet já faz parte do cotidiano do Creci-PR o que facilita e agiliza o acesso a informação. Em 2015, foram implantados formulários digitais para diversos procedimentos da secretaria e do financeiro.

Seguindo esse mesmo conceito, o departamento de comunicação passará a produzir o relatório anual em formato digital. A nova versão ficará disponível no site do Conselho. Entre os benefícios do formato digital está a possibilidade de acessá-lo 24 horas por dia. Devido a criação desse novo formato, a versão impressa deixará de existir.

CLIQUE AQUI E CONFIRA O RELATÓRIO ANUAL DE 2015