Últimas Notícias

Quarta Especial de Novembro - Maringá e Cascavel

Avisos de Licitações - Cohab 2016

Com queda do preço, mercado de locações continua em alta em Curitiba

Restrição de crédito e instabilidade econômica seguem convencendo clientes que aluguel é mais viável que a compra

Reflexo da instabilidade econômica do país e da redução de crédito ofertada pelos bancos, o número de imóveis residenciais alugados, em Curitiba, continua crescendo – uma amostra de que locar ainda é opção mais viável que a compra. No mês de julho, 1.286 unidades foram locadas – 25,6% a mais que as 1.024 locações registradas um mês antes, e que as 1.020 contabilizadas em julho de 2015.

No acumulado de janeiro a julho de 2016, 8.361 imóveis ganharam novos inquilinos, frente aos 7.171 alugados no mesmo período de 2015 – representando um aumento de 16,6% no volume de locações. Isso fez com o volume de imóveis em estoque sofresse uma pequena queda de 2%, indo de 11.634 imóveis em junho de 2016 para 11.375 no mês seguinte. Os dados são do Sindicato de Habitações e Condomínios do Paraná (Secovi-PR).

"O mercado de locação residencial está mais ativo, pois muitos clientes estão optando pelo aluguel e não pela compra. Também existe uma grande variedade de produtos para a escolha do inquilino, o que é uma vantagem. Nossa perspectiva é de que esse movimento de recuperação se intensifique a partir do ano que vem." Edson Luis Esquinazi, presidente da Bee Rede Imóveis.

Um fator que ajuda no aumento do número de locações é queda do preço médio do metro quadrado. No acumulado de agosto de 2015 a julho de 2016, houve uma queda de 3,76% na variação dos 12 meses – baixando de R$ 13,72, em julho de 2015, para R$ 13,21 no mesmo mês de 2016.

Essa redução do preço se dá pela necessidade de os proprietários estarem mais flexíveis para negociações, pois o alto volume de imóveis em estoque alcançado nos últimos meses ainda mantém a oferta mais elevada do que a procura – mesmo com a diminuição no estoque de 2%, de junho para julho.

“É mais vantajoso para o proprietário negociar um valor de aluguel mais barato e conseguir fechar o negócio, do que continuar com o imóvel vazio, cujo custo é muito alto. No longo prazo, mesmo com aluguel mais baixo, ele acaba lucrando”, comenta Fátima Galvão.

Para ela, a expectativa para o segundo semestre é de que o estoque de imóveis continue diminuindo e que o número de locações aumente mais – inclusive por ser um período de maior procura por locações.

"Nós estamos sentindo que o mercado está estável nos valores e as buscas por locação estão mais aquecidas agora, do que no primeiro semestre. É grande, também, a busca de imóveis para locação por pessoas que chegam a Curitiba para trabalho ou estudo." Daniel Delgado Gracia, diretor da Burgman Imóveis.

Reformas

Outra estratégia usada pelos proprietários para aumentar o número de negócios fechados é realização de reformas e modernizações nas habitações. Luiz Cavalcanti Neto, investidor imobiliário há 40 anos, decidiu reformar seus imóveis, depois que a procura para alugá-los diminuiu. “Eu estava precisando trocar o piso de uma das unidades e mexer na parte elétrica em outra. Então, fui buscar um especialista e vi que o melhor era dar uma geral em todas as unidades”, explica.

Para a vice-presidente de locação do Secovi-PR, Fátima Galvão, é preciso que os proprietários tornem os imóveis mais atrativos. “Os imóveis mais antigos estão concorrendo com aqueles recém-entregues, então os proprietários têm que criar condições diferenciadas”, diz.

Em alta

Locação residencial cresceu 19,3% nos primeiros sete meses de 2016, em comparação com os iguais períodos dos dois anos anteriores. Restrição de crédito e cenário econômico instável continuam como fatores que estimulam o setor.

Fonte: Gazeta do Povo

Feira de Imóveis completa 25 anos

Fonte: Gazeta do Povo

Setor imobiliário espera recuperar vendas com mudanças no financiamento da Caixa

Banco passará a financiar imóveis com valor de até R$ 3 milhões. Limite anterior era de R$ 1 milhão

A mudança nas regras de financiamento habitacional pela Caixa Econômica Federal, que vai permitir a compra de imóveis mais caros, poderá reaquecer o setor imobiliário, que vem sentindo fortemente os impactos da crise financeira nos últimos anos.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, apesar de ser voltada para um mercado mais restrito, a medida é muito bem-vinda para o setor. “Quando se trabalha com financiamento, acaba-se tendo dinheiro mais barato e facilitando-se os negócios. E tem-se um conforto maior”, disse Martins.

A partir desta segunda-feira (25), o valor máximo de financiamento da Caixa pelo SFI (Sistema Financeiro Imobiliário) passa de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões. O SFI é uma modalidade de crédito que financia imóveis mais caros, sem emprestar dinheiro do FGTS.

De acordo com Martins, o mercado de imóveis com preço mais alto também foi afetado pela crise econômica e política do país. Ele explicou que isso acontece porque a decisão de comprar um imóvel, independentemente do valor, é muito influenciada pela confiança no futuro. “Então, se não tiver o horizonte político e econômico razoável, as pessoas ficam com o pé atrás. Todos os mercados estão passando por dificuldades. Se alguns têm medo de perder o emprego, quem é dono de empresa também pode ter medo de como ela se comportará no futuro.”

As mudanças nas regras de financiamento chegam em “excelente hora”, na avaliação do vice-presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), Eduardo Aroeira. Isso porque, segundo ele, as expectativas e o otimismo das pessoas têm melhorado. “Vai auxiliar bastante na compra de imóveis para classes mais elevadas, que vinham sofrendo bastante com a maior dificuldade de financiamento”, observou.

Outra mudança no financiamento anunciado pela Caixa é o aumento da parcela de financiamento dos imóveis por meio do SFI. Para imóveis usados, a cota de financiamento subiu de 60% para 70% do valor total. Para a compra de imóvel novo, construção em terreno próprio, aquisição de terrenos e reforma ou ampliação, a cota passou de 70% para 80%. A medida também foi comemorada pelo presidente da Cbic. “Antes, a pessoa tinha que dar 30% de entrada, agora tem que dar 20%. Isso ajuda bastante”, destacou Martins.

Retomada do setor

Sobre a expectativa de retomada da indústria da construção civil no país, José Carlos Martins, observou que o humor está começando a mudar. “Já começa a ter mais visitas em plantões e, quando se fazem sondagens com empresários, vemos que eles estão menos pessimistas. Não é nenhum oba-oba, mas há uma reversão de expectativas.”

De acordo com o presidente da Cbic, os lançamentos imobiliários tiveram retração de 54% nos últimos 12 meses, enquanto as vendas caíram 18%. “Caiu muito mais o número de lançamentos do que o de vendas. Mesmo que as vendas estejam fracas, elas continuam existindo. Isso quer dizer que, daqui a pouco, o mercado vai começar a reverter. Muitos prédios que estão parados vão começar a andar de novo”, previu Martins.

Eduardo Aroeira disse que também espera melhora gradual no setor nos próximos meses. “A partir do momento em que a Caixa reabre essa possibilidade, faz com que haja um novo ânimo do mercado, e a tendência é de melhora, embora gradual, mas constante”, afirmou Aroeira.

Fonte: Gazeta do Povo